quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Arquiteto da vida
O velho comunista
Era cheio de imaginação
Conseguiu projetar Brasília
Feito asas de avião.

Era arquiteto da vida
Do sonho e do concreto
Dobrando o ferro e aço
Subliminou pelo espaço
Fez do concreto armado
Um amigo um aliado
A voar para todo lado.

Nas obras do seu projeto
Houve até quem criticou
Mas as colunas da Alvorada
O mundo inteiro copiou.


Arquiteto da fantasia
Imodesto em demasia
Guardou em sua gaveta
O projeto monumental
Da Praça da Cidadania.

Desenhou no Belo Horizonte
A Pampulha em curvilíneo
Não se perdeu no passado.
Viveu o Presente com fascínio.

No meio do improviso
Fez tudo o que era preciso
Sobre a terra vazia
E cheia de poeira
Nasciam de sua prancheta
As ideias que cobriam
A capital brasileira.

Sabendo que a vida era efêmera
Preferiu ser ateu
E talvez agora durma
Sobre a arquitetura celestial
O arquiteto de Brasília

De ideias sem igual.
Kiss II
Quanta vida
Quanta alegria
Na penumbra
Das chamas
E da fumaça
Se perdia         
Quanta dor
Quanta agonia
Quanta perda
Que angustia,
Veio do fogo
Das chamas
Da fumaça
Da desgraça
Da tristeza que não passa
Da Kiss
Que asfixia
O sonho de ter de novo

Quem um dia sorria.
Kiss I
Muitas vidas de luz
Apagam-se na escuridão
Muitos ficam na desolação
Da perda da dor
Da saudade e do pavor
Muitas vidas interrompidas
Não encontraram a saída
Nas trancas da Kiss

Que horror!

domingo, 8 de dezembro de 2013

Gênio da Paz


Gênio da Paz
Maria Isabel Raenke Ertel

Um verdadeiro homem aprisionado
De alma limpa e liberta
Acorda do pesadelo
E para o bom sonho desperta.

Certo dia o fantasma da morte
Acompanhado da escravidão
Segregou um homem pensante
No mausoléu da prisão.

Vitimado e condenado
Pela segregação racial
Com olhar terno e sereno
Se arma de doces palavras
Abre um largo sorriso
Pois sabe o quanto é preciso
Lutar pelo ideal

Buscou a promoção da vida
Combatendo a discriminação
Conquistou a igualdade racial
Libertando sua nação

E o Mundo perde Mandela
Ícone da liberdade
Herói da humanidade
Que não se esquece jamais
Viva para a eternidade
Óh! Grande gênio da Paz!

06/12/2013

domingo, 24 de novembro de 2013

VÊNUS E LUA


Um fenômeno Astronômico
Da Terra pode ser visto
A Lua embalando Vênus
Ou então? O que era isso?

Um jogo de sedução
Porém um tanto ofuscado
A Lua espiou a Terra
E Vênus olhou/ficou de lado

Momento encantador
Não teve quem não curtiu
Pois até o Cristo Redentor

Ficou olhando do Rio.

VAZIO


Vazio! O que será?
Na verdade o vazio nada é
Por que quando você chega
E bota seu primeiro pé
Vazio, ele não mais é.

Existe apenas um tipo de vazio
É o vazio da imaginação?
Eu respondo não!
É o vazio do pensamento?
Não, eu lamento!
É o vazio do amor
Sim, e ele se esvaziou
E no seu lugar ficou a dor.


                Johannes Josué Raenke Ertel - 11 anos

RELVA


Maravilhoso é cruzar a relva
E sentir o caminhar
Olha para o horizonte
Pois vai bem além do monte
O meu desejo de andar.

A relva esverdeada
Tão serena e delicada
Banhada pelo orvalho
Que precipita a madrugada.

Parece regar os meus sentimentos
Lavar os meus pensamentos
Me leva a pensar na vida
Me leva a pensar em nada
O delicado da relva
Banhado na madrugada.